Cruze a Ásia Central numa extraordinária viagem, por Ex-Repúblicas Soviéticas

Com tantos filamentos quanto a seda, a “Rota da Seda” não era um único caminho, mas uma rede frágil de trilhas intercontinentais de camelo em constante mudança, serpenteando entre as montanhas mais altas e os desertos mais áridos da Ásia.

A seda começou a ir da China para o Ocidente há mais de 2 mil anos, quando os partos, povo do planalto iraniano, se apaixonaram pelo tecido suave e fino — a primeira troca foi supostamente um ovo de avestruz por uma peça de seda.

Após a derrota em Carras, em 53 a.C., os romanos desenvolveram por ela uma cara fixação, e em alguns séculos a seda passou a valer mais que ouro.

A rota encompridou ao longo dos séculos, mas tinha como principal ponto de partida a capital chinesa de Ch’ang-an (atual Xian) e terminava em Constantinopla (hoje Istambul), com caravançarás mais ou menos a cada 30 km para alojar os mercadores.

Levavam-se muitos meses para percorrer seus aproximadamente 8 mil km. Embora tenha criado um comércio sem precedentes entre Ásia e Europa, seu mérito está no intercâmbio intelectual de idéias, tecnologias e crenças — a primeira “superestrada da informação” do mundo.

Se o maior volume do comércio se movimentou para o Ocidente, mais idéias religiosas viajaram para o Oriente. A Rota da Seda sofreu o primeiro grande golpe quando a China abandonou o cosmopolitismo da dinastia Tang e recuou atrás da Grande Muralha.

Foi abandonada quando as novas potências européias encontraram rotas marítimas alternativas, no século XV.A Ásia Central permaneceu esquecida tanto pelo Ocidente como pelo Oriente até a chegada de exploradores russos e britânicos no século XIX.

Por ironia, foi só então, vinte séculos depois da primeira missão chinesa ao Ocidente, que o termo “Rota da Seda” foi cunhado pelo geógrafo alemão Ferdinand von Richthofen. Hoje quase todas as viagens por terra pela Ásia Central passam por trechos dela.

 

 

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of